sexta-feira, maio 16, 2008

Será que fomos enganados?




Um dia ouvi dizer que os políticos responsáveis, estavam aí para acabar com os pobres e não com os ricos como alguns queriam, isto foi há mais de trinta anos!!!




Dessa altura até hoje foram os tais "políticos responsáveis" que estiveram nos sucessivos governos de alternância democrática uma espécie de cumplicidade a dois e uma ou duas vezes a três.

Mas parece que hoje ao contrário daquilo que disseram há mais de trinta não pararam de criar mais pobres e tornar mais ricos aqueles para quem parecem governar os tais políticos responsáveis.

Eis alguns exemplos:



Fernando Nogueira: Antes -Ministro da Presidência, Justiça e Defesa Agora - Presidente do BCP Angola

José de Oliveira e Costa: Antes -Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Agora -Presidente do Banco Português de Negócios (BPN)

Rui Machete: Antes - Ministro dos Assuntos Sociais Agora - Presidente do Conselho Superior do BPN; Presidente do Conselho Executivo da FLAD

Armando Vara: Antes - Ministro adjunto do Primeiro Ministro Agora - Vice-Presidente do BCP

Paulo Teixeira Pinto: Antes - Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros Agora - Presidente do BCP (Ex. - Depois de 3 anos de 'trabalho', Saiu com 10 milhões de indemnização !!! e mais 35.000€ x 15 meses por ano até morrer...), mais uns 'trocos' como consultor e professor

António Vitorino: Antes -Ministro da Presidência e da Defesa Agora -Vice-Presidente da PT Internacional; Presidente da Assembleia Geral do Santander Totta - (e ainda umas 'patacas' como comentador RTP)

Celeste Cardona: Antes - Ministra da Justiça Agora - Vogal do CA da CGD

José Silveira Godinho: Antes - Secretário de Estado das Finanças Agora - Administrador do BES

João de Deus Pinheiro: Antes - Ministro da Educação e Negócios Estrangeiros Agora - Vogal do CA do Banco Privado Português.

Elias da Costa: Antes - Secretário de Estado da Construção e Habitação - Agora - Vogal do CA do BES

Ferreira do Amaral: Antes - Ministro das Obras Públicas (que entregou todas as pontes a jusante de Vila Franca de Xira à Lusoponte) Agora - Presidente da Lusoponte, com quem se tem de renegociar o contrato e não tem responsabilidades directas sobre a manutenção das pontes sob a sua jurisdição.

É só 'empochar'... etc etc etc... a lista é um 'endless roll...'



Estamos a ganhar ou a perder?!!! Pronto já sei está aí o Europeu, futebol? Não.Que ideia está aí o Euro (€)



Perdemos poder de compra? não. Só perdemos o escudo, para o pão de cada dia.



Perdemos a glória do nosso passado histórico? não. Só perdemos uns centavos com que se comprava uns rebuçados.



Perdemos o espírito do Eça? não. Só perdemos dez escudos, que dava para uma peça de Bordalo Pinheiro.



Perdemos a poesia de Pessoa? não. Só perdemos os cem escudos suficientes para a adquirir.



Perdemos os milagres de Santo António? não. Só perdemos os vinte escudos que davam para comprar as bilhas que ele partia.



Perdemos alguma Rainha? não. Só perdemos os cinquenta escudos com que comprávamos as rosas que alimentavam os milagres, e ainda sobrava para o pão, água e luz.



Perdemos o humor? não. Só perdemos as anedotas do Bocage, hoje os autores são os tais políticos responsáveis, mas sem jeito na vez de fazerem rir cada vez fazem mais chorar mais gente, àqueles que prometeram que deixariam de ser pobres, mas que estão cada vez mais pobres e em maior companhia.


Até parece que os ricos andam a roubar os pobres só para que cresçam os dois, uns na pobreza e outros na riqueza.


Mas o mais trizte é que no dia em que a situação se tornar insustentável, já sabemos por experiência quem abandona o país por eles até ali governado.


2 comentários:

Vieira Calado disse...

"A alternância democrática" é a alternância na roubalheira.
Bela colecção de notas, você tem!
Um abraço.

Carminda Pinho disse...

Dessas notas que aqui nos trás, só tenho uma, a de 20$00.

Não tardará muito amigo, que a canção de Manuel Freire,

"Ei-los que partem, novos e velhos, buscando a sorte noutras paragens..."

volte a tocar, e a fazer sentido.
Infelizmente para aqueles, que acreditaram um dia, que os que elegeram se preocupavam com o povo trabalhador.

Beijos